sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

O Princípio da Integralidade no Enfrentamento à Patologização no Processo Transexualizador

 
Palestra "O Princípio da Integralidade no Enfrentamento à Patologização no Processo Transexualizador"
Profa. Dra.
Jaqueline Gomes de Jesus
Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ Campus Belford Roxo

Evento destinado à comunidade externa e ao público universitário.

Data: 11 de fevereiro, sábado
Local: Auditório I do Instituto de Educação (IE) - Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Cuiabá
Horário: 09h

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Rosas Negras - Natas em Solos

Rosas Negras - Natas em Solos
Homenagem a todas as mulheres negras!
Solo de Fabíola Nansurê
Direção: Diana Ramos
Click: Andréa Magnoni - Fotos com Alma

#FotosComAlma #NatasEmSolos #RosasNegras

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

SEMINÁRIO POLÍTICAS CULTURAIS - DIVERSIDADE E DIREITOS: Arte, Política, Saberes, Existências e Resistências

 
Parabéns ao SESC Mato Grosso pela realização desse belíssimo evento!

Ansiosa para encontrá-los na sexta-feira, 10/02, nesta mesa:
18h30 às 20h30 - CineSesc
Transgener(al)idades: arte, vida e Resistência | Jaqueline Gomes de Jesus (RJ) | MC Linn Da Quebrada (SP) | Miro Spinelli (PR)
Mediação: Vicente Tchalian (MT)


Saiba mais em https://www.facebook.com/events/1432157236795121/?ti=cl

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

O QUE FAZER (E O QUE NÃO FAZER) AO PRESENCIAR UM ATO DE TRANSFOBIA?*

Independente de sua identidade de gênero (se você é cis ou trans), está lá você na rua e de repente vê uma pessoa sendo violentada (assediada, insultada ou agredida) por ser trans.

O que fazer (e o que não fazer), tentando garantir ao máximo a sua segurança e a dela?

FAÇA

1) Avalie o entorno:
* Há pessoas próximas que possam ajudar? Chame-as!
* Confira se você e a pessoa ameaçada podem se deslocar para um local mais seguro.

2) Torne sua presença conhecida:
* Faça contato visual com a pessoa sendo assediada e, se possível, sinalize se ela precisa de ajuda;
* Tente se mover próximo(a) à pessoa ameaçada. Caso sinta que é arriscado, mantenha alguma distância, porém mantenha-se visível.

3) Tente averiguar se a pessoa realmente precisa de ajuda:
* Pergunte, por exemplo: "Você precisa de ajuda?", "Ele está te ameaçando?", "Você quer que ele te deixe em paz?";
* Respeite se a pessoa assediada demonstrar que está resistindo do jeito dela, não a tutele!
* Pergunte à pessoa ameaçada se você pode gravar o que está acontecendo;
* Siga a pessoa após o incidente e pergunte se ela precisa de ajuda.

NÃO FAÇA

1) NADA:
* O SEU SILÊNCIO É CONIVENTE COM A VIOLÊNCIA! É uma forma indireta de apoio à transfobia, porque demonstra ao agressor que a vítima está isolada, por isso é perigoso!
* Se você estiver nervosa(o) demais para falar algo, mova-se e olhe para a pessoa ameaçada tentando se comunicar com seu corpo.

2) Não fale, nem aja, como se fosse policial, se você não for!

3) Não piore a situação, criando embates diretos com o agressor. Ele pode ficar mais agressivo.

Se você considera que são necessárias outras ações, ou que haja alguma orientação incorreta, argumente nos comentários.

---
* Adaptei, tentando considerar a realidade brasileira, de "Do's and Don'ts for Bystander Intervention", disponível em: http://tinyurl.com/zfy4z3s

Bandeira do Orgulho Trans