quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

O CORAÇÃO DE QUELLY



Esta é a QUELLY DA SILVA, 35 anos.
Nesta segunda-feira, 21 de janeiro, ela teve o seu CORAÇÃO ARRANCADO.
QUELLY era uma TRAVESTI, ou MULHER TRANS. Morava há três anos em Valinhos (SP), com o companheiro, e trabalhava no bar da família dele, em Campinas.
O assassino, Caio Santos de Oliveira, encontrou-a sozinha no estabelecimento, na noite do crime. Segundo vizinhos do comércio, ele "estava rondando o bairro falando que precisava matar alguém para não morrer". Ele abriu o tórax de QUELLY e guardou o seu  CORAÇÃO enrolado em um tecido, debaixo de um armário. Sobre o corpo, deixou a imagem de uma santa, e ao ser encontrado e interrogado pela polícia, disse que a matou porque ela seria "o demônio".
O caso foi registrado na 2ª Delegacia Seccional de Campinas como latrocínio (roubo seguido de morte).
A maioria dos meios de comunicação não informou o nome de QUELLY. Desrespeitando a forma como ela se apresentava, expôs o seu nome civil; não informou sua profissão ou idade; apenas a identificou pela sua identidade de gênero.
Eu tive dificuldades para encontrar os dados mais básicos sobre ela. O que evidencia a pouca ou nenhuma importância dada à memória de QUELLY.
Esse foi mais um caso letal de TRANSFOBIA. Explícito, no caso do assassino. E a maneira como tem sido abordado, tanto pela mídia quanto pelas autoridades, exemplifica bem como funcionam as instituições neste que é o país que mais registra assassinatos de TRAVESTIS e MULHERES TRANS: o FEMINICÍDIO TRANS é naturalizado em nossa sociedade, em grau tão elevado que, ao afirmá-lo aqui, haverá quem o negue, considere que exagero ou que não veja feminicídio no EXTERMÍNIO BRUTAL DESSAS MULHERES.
Essas pessoas ainda acham que há mulheres "de verdade", em comparação com aquelas que seriam "menos mulheres", até tidas como "farsas". Se você pensou assim, se você se importuna ou acha engraçado que pessoas trans tenham vidas plenas, que sejam amadas, acha que nossos sentimentos são menos reais e importantes, entenda que a sua #TransfobiaMata, pense que #VidasTransImportam, e JOGUE A SUA TRANSFOBIA FORA.
Meus sinceros sentimentos aos familiares e amigos de QUELLY DA SILVA.
#visibilidadetrans #BastadeTransfobia

Um comentário:

  1. Olá, Jaqueline! Antes, quero dizer que acompanho e admiro seu trabalho.
    Posso tomar a liberdade de afirmar que sou uma aliada, do ponto de vista teorico-prático, no tocante á diversidade de gêneros. Peço licença para comentar o quanto é triste e chocante ler notícias como essa. Fico me perguntando, até quando seremos condicionadxs a lidar com a TRANSFOBIA tanto no âmbito das relações interpessoais quanto a nivel institucional, uma vez que há a interpretação nada equivocada e sim intencional, de que essa tragédia, como tantas outras que acometem as vidas das pessoas Transexuais e das travestis, exponencialmente, se configura como latrocínio. É de indignar!
    Deixo aqui também minha mensagem em solidariedade á familiares e amigxs de Quelly e a certeza de que a luta antitransfóbica não tem outra alternativa que não a continuidade pela busca do direito de viver.
    Há bracos de luta!

    ResponderExcluir